Os Reis e Rainhas da Folia do Recife - RecifeOlinda.com

RECIFEOLINDAONLINE@GMAIL.COM

Estamos lançando uma sessão com a programação dos teatros.

CONFIRA AS NOTÍCIAS

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Os Reis e Rainhas da Folia do Recife


Aos 29 anos, Adilson Saturno irá encarar pela segunda vez o concurso para se tornar o Rei Momo do Carnaval do Recife. Professor de matemática na rede pública e formado em dança pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) já está se preparando para a disputa. No menu da vitória, vem fazendo mais aulas de dança e prepara a sua indumentária com figurinista. Ele é um dos 15 candidatos a Rei Momo, ao lado de 45 mulheres que estão em busca do título de Rainha do Carnaval. A primeira eliminatória acontecerá nesta sexta (19), no Teatro Mendonça, a partir das 19h. O evento é gratuito e aberto ao público.
O programa, gratuito, promete ser imperdível para quem circula pela Zona Sul. Antes da disputa, o maestro Ademir Araújo e a Orquestra Popular do Recife fazem apresentação para a plateia. Ao longo do desfile, os candidatos a majestades fazem suas evoluções e tentam conquistar a plateia e o corpo de jurados. A coroa, entretanto, só será decidida ao final da disputa, que acontecerá no dia 26 de janeiro (sexta-feira), às 20h, no Pátio de São Pedro. A próxima etapa também conta com o maestro Ademir Araújo e a Orquestra Popular do Recife.
O Concurso que define as majestades da folia já é uma tradição que remonta à década de 1950. Ao serem eleitos, recebem R$ 20 mil Reais cada um como premiação e a missão de comandar os quatro dias da maior festa popular brasileira, abrindo e fechando as portas da folia no Recife. Para concorrer, é preciso ser maior de 18 anos e, ao contrário de antigas disputas, o candidato a Rei Momo não precisa ter sobrepeso para se submeter ao concurso.
Os critérios que definem a coroação das majestades passa por pré-requisitos como desenvoltura, atitude, postura, simpatia e elegância em palco, além de apresentação, criatividade e empolgação e conhecimentos da cultura carnavalesca. Na bancada do júri, pessoas da sociedade civil ligadas ao segmento cultural como carnavalescos, arte-educadores, coreógrafos, bailarinos, atores e diretores.
Para muitas das candidatas, o concurso é um sonho antigo que só passou a ser realidade depois de muito tempo. É o caso de Maria Lucrécia Teixeira, que sempre acompanhou o concurso pela TV junto com a mãe, mas, nunca teve coragem de concorrer. Até que em 2013, viu sua amiga de infância, Patrícia Fernandes, ganhar o concurso. “Ir ao Pátio de São Pedro com toda minha família e amigos torcer pela Patrícia reacendeu em mim a vontade de voltar a dançar e também de participar do concurso.”, explica Lucrécia.
Assim, Lucrécia voltou para a Escola de Frevo, que tinha abandonado por que não conseguia conciliar com a vida de casada e mãe de dois filhos, além do trabalho de recepcionista. Já em 2014, Lucrécia se inscreveu no concurso e, de lá para cá, sempre chegou até a final. Com 31 anos, a passista tem se esmerado em treinar não só coreografias, mas também postura, posicionamento no palco, a fala ao dar entrevistas e também os figurinos de apresentação, que contam com o design do costureiro Otávio Kevin. “É o conjunto que conta, não só para os jurados, como para os foliões. E acho que a simpatia é o ponto principal.”, comenta.
Já para Patrícia Fernandes, que traz a experiência de ter sido rainha em 2013, o segredo é a calma e segurança da candidata. “O frevo a gente treina o ano inteiro, no concurso o grande segredo é o psicológico e a calma. Não ensaio uma coreografia por que acho que fica mecânico. Deixo o frevo tomar conta de mim e danço.”, comenta Patrícia.
Eliminatória do Concurso de Rei e Rainha do Carnaval 2018
Teatro Luiz Mendonça – Parque Dona Lindu,  dia 19 de janeiro (sexta) – 19h
Final – Pátio de São Pedro, dia 26 de janeiro (Sexta-feira) – 19h
Gratuito


Foto: 
Clélio Tomáz/PCR

Nenhum comentário:

Postar um comentário