Fundaj recebe evento sobre despatologização das identidades trans - RecifeOlinda.com

RECIFEOLINDAONLINE@GMAIL.COM

Estamos lançando uma sessão com a programação dos teatros.

CONFIRA AS NOTÍCIAS

sexta-feira, 8 de junho de 2018

Fundaj recebe evento sobre despatologização das identidades trans



A Fundação Joaquim Nabuco, em parceria com o Instituto Boa Vista, realiza na próxima quarta-feira (13), o debate Roda Livre, que abordará a despatologização da transexualidade. Intitulado "Transexualidade é doença? A revisão das identidades trans no Código Internacional de Doenças", o evento terá como tema a revisão das identidades trans no Código Internacional de Doenças (CID). A Organização Mundial de Saúde irá retirá-las da categoria de transtorno mental, mas ainda permanecerão no CID em um capítulo sobre saúde sexual. O evento ocorre na Sala Aloisio Magalhães, na Fundaj do Derby, a partir das 14h.

Algumas discussões sobre o tema serão tratadas no debate, como por exemplo, o fato de, mesmo diante desse avanço ainda que tardio, as identidades trans ainda permanecerem no CID. A discussão englobará os sistemas de saúde dos países para que as pessoas trans tenham seus atendimentos garantidos como no SUS, aqui no Brasil.

O mediador do debate será Acioli Neto, coordenador do IBV.Os palestrantes convidados para aprofundar o evento são: Amanda Palha, integrante da Diretoria LGBT da UFPE e ativista da Amotrans, Tarsio Benício, coordenador da Associação de Homens Trans & Transmasculinidades (AHTM), Suzana Konstantinos, psicóloga e coordenadora do Espaço Trans do Hospital das Clínicas, e Glaudston Lima, psicólogo da ONG Gestos e professor da Faculdade ESUDA.

O evento ocorre no âmbito do projeto "Acervo para a Educação, a Cultura e a Cidadania", coordenado pela Centro de Documentação e de Estudos da História Brasileira - Cehibra/Meca, que integra o "PI Educação pela Cidade". O projeto tem por objetivo produzir, reunir, preservar e disponibilizar arquivos e coleções documentais prioritariamente sobre as memórias representativas da diversidade cultural urbana e dos grupos sociais detentores e praticantes de culturas e memórias particulares, a exemplo de: povos de terreiro, povos indígenas, ciganos, culturas populares, imigrantes, Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBTs), mulheres, pessoas com deficiência ou transtornos psíquicos, mestres de saberes e fazeres tradicionais; crianças, jovens e idosos. Desta forma, contibui para o registro e o reconhecimento de memórias sociais de grupos chamados minoritários na sociedade brasileira, na perspectiva da garantia dos direitos sociais. 

SERVIÇO:
Roda Livre - Transexualidade é doença? A revisão das identidades trans no Código Internacional de Doenças
Data: 13 de junho
Horário: 14h às 18h
Local: Sala Aloisio Magalhães, na Fundaj, campus Ulysses pernambucano, Derby
Evento gratuito e com emissão de certificado para os participantes

Nenhum comentário:

Postar um comentário