Recife Olinda

Recife Olinda

Estamos lançando uma sessão com a programação dos teatros.

Breaking

Receba nossas informações

quarta-feira, 23 de maio de 2018

RECIFE RECEBE A VISITA DA VELHA SENHORA

maio 23, 2018 0
RECIFE RECEBE A VISITA DA VELHA SENHORA

O texto do suíço Friedrich Dürrenmatt apresenta um olhar irônico sobre a fragilidade dos nossos valores morais, da justiça e da esperança. Depois de temporada em São Paulo e no Rio de Janeiro, o espetáculo está em turnê pelo Brasil e fica em cartaz no Recife, de 24 a 27 de maio, no Teatro de Santa Isabel

“Encenar a Visita depois de A Alma Boa e Galileu é quase como finalizar uma trilogia”, diz Denise Fraga.  “A trilogia de nosso eterno dilema entre a ética e o ganha pão.”

Em A Alma Boa de Setsuan, de Bertolt Brecht, espetáculo visto por mais de 220 mil pessoas, entre os anos de 2008 e 2010, a personagem principal perguntava: “Como posso ser boa se eu tenho que pagar o aluguel? Como posso ser bom e sobreviver no mundo competitivo em que vivemos?” Em Galileu Galilei, também de Brecht, espetáculo que esteve um ano e oito meses em cartaz e foi visto por mais de 140 mil pessoas, o tema é revisitado: Como posso ser fiel ao que penso sem sucumbir ao poder econômico e político vigente? Como manter meus ideais comprando meu vinho bom?

Agora chega A Visita da Velha Senhora, com 13 atores em cena, em que Friedrich Dürrenmatt expõe a fragilidade de nossos valores morais e de nossa noção de justiça quando a palavra é dinheiro. A protagonista da peça é quase a encarnação mítica do poder material, a milionária Claire Zachanassian, vivida por Denise Fraga, que com seu bilhão põe em xeque a cidade de Güllen.

O espetáculo é uma produção original do SESI São Paulo, cumpriu temporada em São Paulo e Rio de Janeiro. Está em Turnê pelo Brasil e no Recife, “A Visita da Velha Senhora” estará em cartaz nos dias 24, 25, 26 e 27 de maio, no Teatro de Santa Isabel. Com patrocínio do Bradesco, parceiro e patrocinador de “Alma Boa de Setsuan” e “Galileu Galilei”, e realizado em Fortaleza através da Lei Federal de Incentivo à Cultura, pela NIA Teatro, Ministério da Cultura e Governo Federal.

A direção é do cineasta Luiz Villaça, que depois do sucesso de Sem Pensar, de Anya Reiss, e A Descida do Monte Morgan, de Arthur Miller, retorna mais uma vez ao teatro. A montagem tem a sofisticação de contar com cenários e figurinos do mineiro Ronaldo Fraga, que foi o vencedor da 30ª edição do Prêmio Shell de Teatro de São Paulo. A batuta do maestro Dimi Kireeff, na direção musical, o desenho de luz de Nadja Naira, da companhia brasileira de teatro, Lucia Gayotto na preparação vocal, Keila Bueno nas coreografias e preparação Corporal e Simone Batata, no visagismo.

A Visita da Velha Senhora teve nominações ao Prêmio Shell nas categorias Melhor Atriz (Denise Fraga) e Melhor Figurino (Ronaldo Fraga) e ao Prêmio Aplauso Brasil nas categorias Melhor Atriz (Denise Fraga), Melhor Direção (Luiz Villaça), Melhor Arquitetura Cênica (Ronaldo Fraga) e Melhor Espetáculo Independente.

O enredo é aparentemente simples. Os cidadãos de Güllen, uma cidade arruinada, esperam ansiosos a chegada da milionária que prometeu salvá-los da falência. No jantar de boas-vindas, Claire Zachanassian impõe a condição: doará um bilhão à cidade se alguém matar Alfred Krank, o homem por quem foi apaixonada na juventude e que a abandonou grávida por um casamento de interesse. Ouve-se um clamor de indignação e todos rejeitam a absurda proposta.  Claire, então, decide esperar, hospedando-se com seu séquito no hotel da cidade.

A partir dessa premissa, o suíço Friedrich Dürrenmatt nos premia com uma obra-prima da dramaturgia, construindo uma rede de cenas que se entrelaçam, cheias de humor e ironia, um desfile de personagens humanos e reconhecíveis que pouco a pouco, vão escancarando a nossa fragilidade diante do grande regente de nossas vidas: o dinheiro. Quem mata Krank?  Cairá Güllen na tentação de satisfazer o desejo de vingança da milionária?  Ou fará justiça?  O que é fazer justiça?  Até que ponto a linha ética se molda ao poder dinheiro?

Dürrenmatt caracteriza A Visita da Velha Senhora como uma comédia trágica e com seu humor cáustico nos pergunta: Até onde nos vendemos para poder comprar? Como o poder e o dinheiro vão descaracterizando os nossos ideais?   Por outro lado, quanto nos custa a não submissão?  O texto se desenrola abrindo ainda outros ramos de reflexão. Dürrenmatt era completamente obcecado pela questão da justiça e as sutilezas de suas fronteiras. O que é justo? O que significa justiça em nossos tempos? Até que ponto o valor moral da justiça se adequa ao poder?  Reconhecível no Brasil nos dias de hoje? A Visita da Velha Senhora expõe questões que sempre estiveram em pauta na história da humanidade, mas que caem como uma luva em nossos tão tristes tempos.

“Acredito no poder de transformação pela arte. Na formação do indivíduo pela arte. O teatro como espelho do mundo, nos fazendo rir para nos reconhecer, dando voz a nossa angústia, dando palavras àquilo que pensamos e não sabemos dizer. O humor e a poesia nos ajudando a elaborar o pensamento para agir, para transformar, para viver criativamente, para por a mão da massa da nossa história”, afirma Denise Fraga. “Depois de dois anos e meio de A Alma Boa de Setsuan, de Bertolt Brecht, e um ano e meio de Galileu Galilei, do mesmo gênio alemão, sou mais uma vez surpreendida pela potente atualidade de um clássico. Não foi por acaso que cheguei a Dürrenmatt. Foi discípulo, bebeu em Brecht.  Lá está o mesmo fino humor, a mesma ironia e teatralidade. Dürrenmatt também se faz valer do entretenimento para arrebatar o público para a reflexão”.

É natural finalizar tal “trilogia” com a obra máxima de Dürrenmatt. Como Brecht, Dürrenmatt é mestre em dissecar as relações de poder e os conflitos morais em suas obras, em questionar o papel do herói e a sua necessidade para uma sociedade justa, em fazer uso do humor para gerar reflexão. Nas três peças: Alma Boa, Galileu Galilei e A Visita da Velha Senhora, tudo isso está explícito. A diferença é que Brecht prefere desconstruir as ilusões de que nos alimentamos e propor uma possível transformação, enquanto Dürrenmatt as mantém vivas e ri delas por serem apenas isso: ilusões, enganos pelos quais lutamos e sempre lutaremos.


Por Denise Fraga



Amo a comédia porque confio no humor e na ironia como um poderoso agente para a reflexão. Só se ri daquilo que se entende. O humor chama o pensamento e, com isso, dá eficácia e prazer à comunicação de uma ideia.  É incrível como muitos dos autores tidos como clássicos confiavam nisso, mas estão com a risada do público presa na poeira de suas linhas. É preciso sacudi-las, dar uma escovada, deixá-las voar.

Brecht dizia: divertir para comunicar. Me identifico com isso. Divertir o público e mandá-lo para casa em estado de reflexão é o que tem me garantido a sensação de plenitude com o meu ofício. O sucesso de ALMA BOA e GALILEU me confirmaram a popularidade de Brecht. Mais da metade de nosso público talvez nunca tivesse ouvido falar dele, mas nem por isso deixaram de ser completamente capturados por sua genialidade.

Esta necessidade de propagar aquilo que me tocou o coração, dar-lhe comunicação e clareza para ver mover no outro o que moveu em mim, se tornou mesmo a grande força motriz de meu trabalho. Tem dado certo. E a cada espetáculo, renovo minha esperança de continuar fazendo o Teatro em que acredito.


Ficha Técnica:
Autor: Friedrich Dürrenmatt
Stage rights by Diogenes Verlag AG Zürich
Tradução: Christine Röhrig
Adaptação: Christine Röhrig, Denise Fraga e Maristela Chelala
Direção Geral: Luiz Villaça
Direção de Produção: José Maria
Elenco: Denise Fraga, Tuca Andrada, Fábio Herford, Romis Ferreira, Eduardo Estrela,
Maristela Chelala, Renato Caldas, Beto Matos, David Taiyu, Luiz Ramalho, Fernando Neves,
Fábio Nassar e Rafael Faustino
Direção de Arte: Ronaldo Fraga
Direção Musical: Dimi Kireeff
Trilha Sonora Original: Dimi Kireeff e Rafael Faustino
Desenho de Luz: Nadja Naira
Produção Executiva: Marita Prado
Preparação Corporal e Coreografias: Keila Bueno
Direção Vocal: Lucia Gayotto
Preparação Vocal: Andrea Drigo
Visagismo: Simone Batata
Assistente de Direção: André Dib
Assistente de Produção: Musical Nara Guimarães
Engenheiro de Mixagem: Fernando Gressler
Camareira: Cristiane Ferreira
Assistente de Iluminação e Operador de Luz: Robson Lima
Operador de Som: Janice Rodrigues
Cenotécnicos: Jeferson Batista de Santana, Edmilson Ferreira da Silva
Assessoria Financeira: Cristiane Souza
Fotografia: Cacá Bernardes
Making Off: Pedro Villaça e Flávio Torres
Redes Sociais: Nino Villaça
Programação visual: Gustavo Xella
Assessoria de Imprensa BH: Personal Press
Projeto realizado através da Lei Federal de Incentivo à Cultura.
 Produção Original: SESI São Paulo
 Patrocínio Exclusivo: Bradesco
 Realização: NIA Teatro, Ministério da Cultura e Governo Federal


SERVIÇO
A Visita da Velha Senhora
Com Denise Fraga, Tuca Andrada, Fábio Herford, Romis Ferreira,
Maristela Chelala, Renato Caldas, Eduardo Estrela, Beto Matos, Luiz Ramalho,
Rafael Faustino, David Taiyu, Fábio Nassar e Fernando Neves

Dias 24, 25, 26 e 27 de maio
Quinta a sábado, às 20h; Domingo, às 18h
Teatro de Santa Isabel
Praça da República
Classificação: 14 anos
Duração: 120 min
Gênero: Comédia Trágica

Ingressos (valores da inteira):
Platéia R$ 70,00; Terceiro Piso: R$ 50,00
www.eventim.com.br
Info: 81 3355.3323 / 3355.3324

MinC inicia capacitação para inscrições ao Prêmio Culturas Populares em Pernambuco

maio 23, 2018 0
MinC inicia capacitação para inscrições ao Prêmio Culturas Populares em Pernambuco

Pernambuco recebe, esta semana, oficinas gratuitas do Ministério da Cultura (MinC) para auxiliar os interessados em participar da 6ª edição do Edital Culturas Populares. No Recife e em Bezerros, a oficina será realizada nesta próxima quinta-feira (24). Já em Caruaru, a oficina será na sexta-feira (25).
Na edição 2018 do Edital, cada um dos premiados receberá R$ 20 mil, o dobro de 2017. As inscrições podem ser feitas até 13 de junho, pela internet, através d sistema Salic, ou via postal.

Católicos lançam Pastoral Ambiental no Grande Recife inspirados no papa Francisco

maio 23, 2018 0
Católicos lançam Pastoral Ambiental no Grande Recife inspirados no papa Francisco
Nova pastoral da Arquidiocese de Olinda e Recife surge em um contexto  de crescente problemática ambiental e necessária reação da sociedade 



Nesta quinta-feira (24), inspirado nas palavras do Papa Francisco escritas na encíclica Laudato Si (Louvado Seja), documento dirigido em 2015 aos bispos de todo o mundo e aos fies da Igreja Católica, sendo a primeira de sua história com o enfoque ecológico, um grupo de fies no Grande Recife decidiram, com o aval da Comissão Arquidiocesana de Pastoral para a Caridade, Justiça e Paz, oficializar para a sociedade a mais nova pastoral social da Arquidiocese de Olinda e Recife (AOR). A cerimônia de apresentação da Pastoral Ambiental (PA) será realizada ás 19h na Universidade Católica de PE, com apoio do Instituto Humanitas, no auditório Dom Helder Câmara, 1ª andar do bloco A. Lá, membros da Academia, Governo Estadual, Movimento Popular, Igreja Católica e de outras religiões participarão de uma mesa de abertura, destacando as suas ações sobre questões ambientais e o surgimento da nova pastoral.

"Assumimos o chamado do papa na sua encíclica e resolvermos atender seu apelo universal e planetário frente à crise ecológica em que vivemos na nossa casa comum, no planeta Terra. Encaramos a nossa missão de discutir, refletir e agir sobre a temática socioambiental em busca de soluções através da união e participação de todos: católicos e de outras
religiões, crentes ou não", conta o coordenador da PA, Rodrigo Correia.  A PA objetiva atuar sobretudo no fomento desta temática junto aos fies nas comunidades da igreja na AOR, sempre associando ao princípio do Evangelho de Jesus Cristo encarnado na vida humana e não humana (fauna, flora, recursos naturais, biomas....), onde exalta a missão cristã para que cada um seja sinal de libertação do outro em comunhão: “eu vim para que todos tenham vida e tenham em abundância” (Jo 10,10).

A formação da Pastoral Ambiental pelos fieis católicos foi acolhida pelo padre Hélio Nascimento, presidente da Comissão da Pastoral para a Caridade, Justiça e Paz da AOR, onde inserem-se todas as pastorais sociais da Igreja Católica no Grande Recife, a exemplo da Pastoral da Saúde, da Criança, do Povo de Rua, da Carcerária, dentre várias outras.     "Padre Hélio nós recebeu de braços abertos e vem dando todo o apoio para o desenvolvimento da PA", conta Correia. Desde setembro do ano passado, a pastoral se reúne todo último sábado de cada mês no Centro Social Padre Dehon, na Avenida Caxangá, no bairro da Iputinga, Recife. O encontro é realizado a partir das 16h. É aberto para os interessados.

Nesta quinta, Correia aproveitará para apresentar ao público a missão, valores, linhas de ação e as atividades da PA. O plano de ações consiste em um tripé alinhado para Educação ambiental e sensibilização política socioambiental (educação e formação); Comunicação ambiental e redes plurinstitucionais; (denúncias e ações solidárias); Governança ambiental e práxis comunitárias. (articulações ambientais entre os atores sociais).

Com a missão de estimular a solidariedade a todas as formas de vida, a nova pastoral da AOR surge valorizando o senso de justiça ambiental, a opção preferencial pelos pobres e o ecumenismo no diálogo e na ação. E ainda o senso de corresponsabilidade com a preservação e proteção dos diferentes biomas, da biodiversidade; o incentivo ao cuidado à casa comum e a todos os seres; o respeito a diversidade socioambiental e cultural; o compromisso com um projeto societário voltado aos valores de mobilização e a participação social à luz da emancipação humana.

terça-feira, 22 de maio de 2018

Clube das Pás promove 50° edição do Baile das Rosas

maio 22, 2018 0
Clube das Pás promove 50° edição do Baile das Rosas
Rosas vermelhas serão distribuídas à todas as mulheres à meia-noite, ainda haverá a execução da tradicional valsa, com as mulheres vestidas de vermelho e os homens de branco


No próximo sábado (26), o Clube das Pás promove a 50º edição do Baile das Rosas, ao som da Orquestra Brilhante, a partir das 21h. Durante a festa, que ainda conta com apresentações da Banda Raízes do Brega e da Orquestra das Pás, serão distribuídas rosas vermelhas, como manda a tradição. À meia-noite, haverá execução da tradicional valsa, com as mulheres vestidas de vermelho e os homens de branco.

Os ingressos custam R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia-entrada), disponíveis na bilheteria do local. O Clube Carnavalesco Misto das Pás fica na Rua Odorico Mendes, nº 263 - Campo Grande, Recife. Mais informações pelo telefone (81) 3242-7522.


SERVIÇO:

50° Baile das Rosas no Clube das Pás

Local: Clube das Pás, na Rua Odorico Mendes, n° 263 - Campo Grande, Recife

Sábado (26) | 21h

Ingressos: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia-entrada)

Informações: (81) 3242-7522

Foto: Divulgação

Primeira exposição cultural dedicada à rabeca ocorre até sábado

maio 22, 2018 0
Primeira exposição cultural dedicada à rabeca ocorre até sábado
Peças estão no Centro Cultural Luiz Freire, em Olinda


Graças à rabeca, o Mestre Luiz Paixão conheceu os Estados Unidos, Europa e todo o Brasil. Agora ele quer que sua arte seja conhecida em todo o mundo. Um dos principais expoentes deste instrumento musical mais tradicional da cultura nordestina é o grande homenageado da I Exposição de Rabecas de Olinda, que teve sua abertura nesta terça (22) e encerra-se no sábado (26), no Centro Cultural Luiz Freire.


A entrada é gratuita até sexta (25.05). No sábado, será cobrado R$ 10 para o show de Paixão e convidados. As peças estarão expostas no hall de entrada do Centro, no horário das 10h às 17h. O espaço fica localizado na Rua 27 de Janeiro, 181, no bairro do Carmo. A iniciativa conta com o apoio da Prefeitura de Olinda e de outros parceiros, disseminando a paixão por este som peculiar, construído artesanalmente e envolvendo histórias de famílias inteiras.
“É muito bom um evento como esse, pois nunca vi algo parecido aqui em Olinda. Estou muito feliz por terem tido essa ideia e ser homenageado. Todo mundo quer aprender a tocar, hoje em dia tem rabeca em todo canto”, comemorou Luiz Paixão.


O Mestre Luiz Paixão veio dos canaviais da Zona da Mata Pernambucana, de família musical. Começou a brincar com o instrumento com 8 anos, mesma idade em que foi para a lavoura. Nos anos 90, com o cavalo-marinho, o forró, maracatu e a ciranda na bagagem, Luiz levou sua arte para a capital e participa de vários projetos no Brasil e exterior.


Além dele, os outros seis expositores são: Valério Bizunga, Ulisses, Maciel Salustiano, Dina Salú, Cláudio Rabeca e Cezinha. No total, serão cerca de dez rabecas à disposição para a visita do público. “É a primeira exposição com vários rabequeiros. Geralmente, no Sertão, é feita com apenas um. Aqui temos sete. No Centro, temos a Oficina da Rabeca, que dá vida a este instrumento tão peculiar, e isso foi um dos motivadores de organizarmos o evento. Com a exposição, queremos propagar essa arte encantadora para todos”, disse uma das organizadoras, Domenica Rodrigues.
No primeiro dia de evento, houve uma conversa entre os expositores (aberta ao público). Entre outros assuntos, eles falaram sobre como fazer o instrumento, a relação com a rabeca e deram dicas para explorar o som da melhor forma.



GRÁTIS E ONLINE: Especialistas esclarecem dúvidas sobre desenvolvimento infantil

maio 22, 2018 0
GRÁTIS E ONLINE: Especialistas esclarecem dúvidas sobre desenvolvimento infantil
Grátis e Online, IV Jornada NeuroSaber ensina sobre como funciona o cérebro de crianças com transtornos de aprendizagem




De 4 a 11 de junho, o Instituto NeuroSaber realiza a IV Jornada NeuroSaber com a proposta de auxiliar pais e profissionais da educação a ajudar crianças com dificuldades de aprendizado. Totalmente online e gratuito, o evento é organizado pelos especialistas em educação infantil: o neuropediatra Dr. Clay Brites e a psicopedagoga Luciana Brites.

Durante as aulas, serão abordadas questões sobre como diferenciar um transtorno de uma dificuldade e quais são os sinais específicos, o funcionamento neurocognitivo nas dificuldades e nos transtornos de aprendizagem, o funcionamento do cérebro de uma criança com tais problemas entre outros.

Segundo os especialistas, a ideia é possibilitar que pais e profissionais da educação entendam e saibam como trabalhar cada tipo de dificuldade, a partir da compreensão das áreas cognitivas e de métodos de observação e estruturação.

O encontro é voltado também para psicólogos, fonoaudiólogos, psicopedagogos, terapeutas ocupacionais, psicomotricistas e outros profissionais interessados sobre o funcionamento neurológico dos transtornos de aprendizagem com fundamentação científica, numa linguagem acessível e com muita aplicabilidade prática.

Durante a Jornada NeuroSaber, serão liberados três vídeos, que ficarão disponíveis para serem assistidos 24 horas por dia, além de materiais de apoio que poderão ser baixados. O evento não emite certificado.

Coletivo Trippé estreia espetáculo “Tudophone” em Petrolina

maio 22, 2018 0
Coletivo Trippé estreia espetáculo “Tudophone” em Petrolina
Foto: Divulgação


Em qualquer lugar, a qualquer momento do dia, as pessoas param e olham a tela do celular. Dorme-se ao lado dele e acorda-se com ele. Enquanto conversam ou enquanto namoram, dedilham uma mensagem. Para propor reflexões sobre esta situação, o Coletivo Trippé estreia, nesta terça-feira (22), às 19h, o espetáculo de dança Tudophone, no Cineteatro CEU das Águas, no bairro Rio Corrente, em Petrolina (PE). As apresentações são gratuitas e ocorrem entre os dias 22 e 25 de maio, às 19h, e nos dias 23 e 24, às 15h e à 16h.

Com uma temática voltada para um público mais juvenil, o espetáculo Tudophone, que conta com incentivo do Governo do Estado de Pernambuco, por meio do Funcultura, se baseia na ideia de uma dança contemporânea de aspectos menos formais, buscando a aproximação ao público-alvo diretamente através da ação física e da interatividade. Para Wagner Damasceno, integrante do Coletivo Trippé, a temporada com apresentações populares irá aproximar os jovens desses espaços de arte. “Mais uma vez estamos voltando aos bairros mais periféricos levando arte a estas pessoas e, principalmente, a essa nova geração, com um tema que eles se identificam e vivem”, ressalta. A temporada é uma realização do Coletivo Trippé, com produção assinada pela Pipa Produções.

Mediação Cultural - Para sensibilizar novos olhares para a dança, o Coletivo Trippé mantém atividades de mediação cultural, a Plataforma Primeiros Passos, convidando instituições de ensino da rede pública e agentes sociais para possibilitar o acesso a arte para todos. Interessados em agendar grupos para a mediação podem entrar em contato com a produção através do e-mail coletivotrippe@gmail.com ou do telefone (87) 98805-4257.

Serviço
Espetáculo Tudophone
Quando: de 22 a 25/5, às 19h; 23 e 24/5, sessões extras, às 14h e às 16h
Local: Cine-teatro CEU das Águas (Rua do Tamarindo / Rua 11 – Bairro Rio Corrente – S/N)
Acesso gratuito

Do Portal de Cultura PE